Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

Atendimento às famílias indígenas dentro das áreas urbanas; mulheres grávidas em situação de rua; e famílias em ocupações urbanas irregulares foram discutidos.

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

imagem

Série Dialogando 2017 debate Trabalho Social com Famílias "Invisíveis"

Nesta quarta-feira, dia 29 de março, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social de São Paulo discutiu sobre o trabalho social com as famílias indígenas no Estado de São Paulo. Com o tema “Trabalho Social com Famílias “Invisíveis” - Desafios para a Política de Assistência Social”, a Série Dialogando 2017 também abordou a ausência de serviços para as mulheres grávidas em situação de rua e famílias em ocupações urbanas irregulares. 

O último Censo do IBGE voltado para populações indígenas, divulgado em 2010, mostrava que 41.981 indígenas moravam no Estado de São Paulo. Destes, 39.214, representando 93,4%, residiam em áreas rurais ou urbanas, e os demais, 2.767, ficavam em terras indígenas.

Diante disso, é possível perceber a importância de conhecer suas necessidades, principalmente sobre a luta em busca de habitação, para que a área da assistência social possa criar políticas públicas voltadas para essa demanda. O Estado de São Paulo conta, atualmente, com seis CRAS (Centros de Referência de Assistência Social), que oferecem proteção e atendimento integral às famílias indígenas, além de serviços de convivência e fortalecimento de vínculos. Eles atuam em Avaí, São Paulo e São Vicente. Nestes centros, cerca de 1.917 famílias e 70 crianças e adolescentes são atendidos anualmente pela Assistência Social do governo estadual.

De acordo com o secretário de Estado de Desenvolvimento Social de São Paulo, Floriano Pesaro, os serviços precisam ser pensados e debatidos para melhorar o atendimento. “Encontros como este são fundamentais para mostrar a necessidade de tirar essas pessoas da invisibilidade e trazê-las para a assistência social”, destaca.

Participaram do encontro, o secretário Floriano Pesaro; Hamilton Harley de Carvalho Silva, doutorando do programa de pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da USP; Ana Carolina Cabral, do núcleo especializado de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres da Defensoria Pública do Estado de São Paulo; Ariane Goim Rios, psicóloga da Defensoria Pública do Estado de São Paulo; Alexandre Gomes, assistente social do CRAS (Centro de Referência de Assistencia Social) de Parelheiros; e a professora Dra. Abigail Torres, pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Seguridade e Assistência Social da PUC de São Paulo.

Série Dialogando

A “Série Dialogando 2017: Trabalho Social com Famílias “Invisíveis” - Desafios para a Política de Assistência Social” é uma iniciativa da Coordenadoria de Ação Social (CAS), em parceria com a Escola de Desenvolvimento Social de São Paulo (Edesp).

 

Assessoria de Imprensa

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social

(11) 2763-8323/8131

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

 

Voltar para o topo